Mural Comunicação

Tag Archives: Jockey

Carnes e pescados, no Rubayiat Rio o páreo é duro

_ROG0276

Estonteante. Ceviche de polvo com aioli, criação do chef Carlos Valentí para o “cardápio de varanda” do Rubaiyat Rio. Foto: Divulgação

O forte do Rubaiyat são as carnes, é sabido, mas o chef da casa, o espanhol Carlos Valenti, inspirado pelos ares praianos, criou um menu para esse começo de ano, onde os pescados predominam. E fazem bonito. O páreo é duro. O nome cardápio, que, aliás, só tem na filial carioca, ganhou o nome de “cardápio da varanda”e tem tudo a ver mesmo. Entre os “tiraditos”, as pequenas entradas para beliscar, estão o atum com vinagrete de shoyu e mel, o tagliatelle de pupunha com camarões graúdos, a posta de cherne alta, acompanhada de purê de limão siciliano (maravilhoso) e o estonteante ceviche de polvo com aioli da foto. Para os carnívoros de prontidão, que não passam sem carne vermelha, segue uma sugestão de peso e na medida: experimente o Levíssimo, um tipo de filé com menos gordura e de sabor mais delicado, que é dourado na brasa e servido acompanhado de batatas souflée. Depois, é curtir o gramadão do Jockey, a brisa que chega do Jardim Botânico, o Cristo Redentor, que aliás, só tem aqui também. Rua Jardim Botânico 971 – 3204-9999.

Por Luciana Fróes
Publicado no Caderno Ela Gourmet – O Globo

Três doses acima: Um brinde à vista

Vista noturna do restaurante Rubaiyat, no Jockey.

Vista noturna do restaurante Rubaiyat, no Jockey.

Só vou a restaurantes novos um bom tempo após a inauguração – sei de todas as dificuldades e instabilidades pelas quais as casas passam nos primeiros meses e prefiro me abster de comentários. Mas, depois de alguma insistência, não pude resistir ao convite de David Zylbersztajn, um dos sócios do Rubaiyat Rio. E lá fui eu almoçar, sem muita vontade, no novo restaurante do Jockey.

De cara, encontrei uma simpática e querida amiga, e a nuvem “Paulistarum Terra Mater”(lema de São Bernardo do Campos, terra mãe dos paulistas) foi se desfazendo. Encostado no balcão, David bebericava uns drinques em teste. Chupitei um e outro, e gostei do de pepino. Os bancos do bar são escolhidos por profissionais: sentei em um deles e não queria mais me levantar. Tudo – couna, abdômen, bumbum – bem acomodados, e nada de pés pendurados.

Fomos fazer um tour pela casa, linda, bem montada, fina, requintada e blá, blá, blá…

E então chegamos à varanda. Fiquei com falta de ar diante do lindo cenário que se abriu, para além dos limites dela. De um lado, o Cristo. Em frente, a cadeira de montanhas e o bem tratado gramado do Jockey. Que maluquice pensar que antes esse espaço servia para guardar tratores e outros equipamentos do clube. Uma soberba que só quem vive numa cidade com tantas paisagens inigualáveis pode cometer.

Devorei e me deleitei com a vista. E soube que nos dias – ou noites – de páreo é muito emocionante estar por ali assistindo aos cavalos passarem correndo rente à varanda. Vou experimentar a emoção. Os pães, feitos na casa, são de perder o juízo, assim como o mil-folhas de doce de leite, um sedutor que te faz lamber a ponta dos dedos.

Com tantas gostosuras, não poderiam faltar os vinhos. E lá, claro, eles são a grande atração na carta de bebidas. Começando pela adega, toda de vidro com as modernas que hoje existem em Las Vegas, onde moças vestidas de coelhinhas sobrem em postes de pole dance para pegar as garrafas – quanto mais caro é o vinho, mais alta é a prateleira. Não é necessário dizer que, estando o Cristo tão certo e sendo o Rubaiyat uma casa familiar, aqui quem sobe nas escadas para pegar as garrafas são os sommeliers. Eles, por sinal, fizeram uma bela carta com algo em torno de 950 rótulos, mas ela não é cansativa e nem de difícil manuseio. A cada país ou região, os sommeliers fazem curtos comentários e, a cada vinho dão informações curtas e precisas – nada de folhas pisadas por javalis gordos. Sobre a Espanha, por exemplo, optaram por não comentar nada só escreveram frases  curtinhas sobre cada região. De Rueda, por exemplo, dizem que “é repudiada por produzir alguns dos melhores brancos da Espanha. A uva típica da região é a Verdejo, empregada nos melhores exemplares”. E descrevem Marques de Riscal, de Rueda, assim: “Branco, com boa acidez, floral com notas de frutas secas associadas a perfume de canela”.

Gosto muito dessas informações nas cartas de vinhos, pois ajudam o cliente a decidir. Um bom preço também é o senhor de tudo nessas oras, e no caso do vinho em questão, estamos falando de um investimento de R$ 100.

Mas há outros tão bons quanto e abaixo dos três dígitos. O “esbanjamento” se deu porque na hora do almoço tem um menu executivo de R$ 68. Se eu contasse que a vista saiu de graça, até que dava para investir um pouquinho mais na conta de Baco, não é mesmo?

Até sexta-feira.

Por Deise Novakoski
Publicado em 19 de setembro de 2014 no Jornal O Globo – Caderno Rio Show