Mural Comunicação

Monthly Archives: outubro 2014

Dez coisas que profissionais bem-sucedidos fazem nos 10 últimos minutos do expediente

clock

Faltam 10 minutos para o expediente acabar. Você olha para o relógio a cada segundo, checa sua timeline no Facebook, assiste a um vídeo curto no YouTube, dá uma olhada no Twitter. No fim das contas, vai embora correndo quando dá sua hora e às vezes até se esquece de se despedir dos seus colegas. Se este cenário lhe parece familiar, você precisa prestar atenção no que está fazendo com o final do seu expediente. “Como você encerra o seu dia no trabalho é muito importante. Isso pode mudar o resto do seu dia, impactar nas suas relações com outras pessoas, influenciar na qualidade do seu sono e até mesmo na sua disposição para o trabalho no dia seguinte”, diz Michael Kerr autor do livro “You Can’t Be Serious! Putting Humor to Work“, “Você não pode ser sério! Coloque humor no seu trabalho”, na tradução livre. Lynn Taylor, autor de “Tame Your Terrible Office Tyrant: How to Manage Childish Boss Behavior and Thrive in Your Job” , na tradução “Dome seu terrível tirano escritório: como lidar com um chefe infantil e prosperar em seu emprego”, compartilha da opinião de Kerr e acrescenta: “Ter uma rotina ajuda você a se preparar para o esperado e para o inesperado no trabalho”. Os escritores conversaram com o site “Business Insider” e a Mural Comunicação destrinchou cada ponto para você aqui no blog, confira:

todolist 1 – Atualizar a lista de tarefas

Profissionais bem-sucedidos sempre estão de olho em seus afazeres e metas, segundo Taylor. “Nos últimos dez minutos é quando eles checam seus progressos em relação aos objetivos do dia. Em vez de sair correndo do escritório, eles revisam essa lista e assim mantêm em mente toda a trajetória do trabalho ao longo do dia que passou”.

messydesk

 2. Organizar a mesa do escritório

Seus projetos vão demorar muito mais se você não é organizado. “Ter uma mesa arrumada ajuda você a pensar com mais clareza e a priorizar o que é mais importante, além de ajudá-lo a otimizar o tempo porque você saberá exatamente onde estão seus documentos”, diz Kerr.

3. Revisar o que tem feito

Taylor diz que além de se concentrar no que precisam fazer, os profissionais bem-sucedidos sempre olham em perspectiva e examinam o que já alcançaram. “Usar pelo o minuto final do expediente para examinar suas tarefas já concluídas aumenta o seu `senso de realização’. Há pesquisas que apontam que manter uma simples rotina de refletir sobre o que você já tem alcançado é a chave para alcançar altos níveis de felicidade”. Mas, Taylor adverte: não basta olhar para trás e pensar no que ainda há a ser feito durante a semana, é preciso avaliar o que está sendo feito certo e errado.

urgency 4 – Vetar  “conversas urgentes”

Faltam 10 minutos para você ir embora e um colega, cliente ou mesmo o seu chefe aparece com uma “demanda urgente”. Taylor diz que os bons profissionais sabem avaliar se há real urgência no pedido. “Se o profissional considerar que aquela demanda pode esperar ele deve ser assertivo e marcar um horário específico do dia seguinte para discutir aquele assunto. Caso contrário, a efetividade do trabalho pode ser comprometida, afinal no fim do expediente suas energias já estarão baixas”.

 6. Manter-se focado: nada de dar uma conferida no Facebook, Twitter…

“Esse é o horário clássico para deixar a mente se distrair, é fato que você não estará tão esperto no final do dia quanto no início do expediente e é exatamente por isso que é preciso tentar não se distrair. O bom profissional sabe evitar atividades que não sejam relacionados com o trabalho, como as redes sociais, por exemplo”, comenta Kerr.

 priority7. Identificar prioridade para o dia seguinte

Determinar qual deverá ser a primeira atividade do dia seguinte no trabalho é algo que profissionais bem-sucedidos sabem fazer, segundo Taylor. “Escrever quais serão suas prioridades para o dia seguinte é um exercício que faz o seu cérebro compreender a importância daquela atividade e isso ajuda a mantê-lo preparado para o dia seguinte”.

 

 

8. Manter seus colegas informados sobre sua disponibilidade de comunicação até o dia seguinte

É claro que as demandas no trabalho variam de acordo com o dia, mas é fundamental estabelecer uma relação que permita a todos no ambiente de trabalho saber quando e como você estará disponível. “O mais importante é que o profissional saiba responder: que tipo de contato (ligação, SMS, email) permitirão que eu mantenha a minha tranquilidade, caso seja contactado entre o momento em que eu deixar o escritório até o expediente do dia seguinte?”, diz Kerr.

 sayingbye9. Dizer “obrigado” e se despedir de seus colegas

Um bom ambiente de trabalho é construído sob gratidão e reconhecimento. “Criar o hábito de agradecer seus colegas no final do dia é uma maneira excelente de fazê-lo mais feliz,  valorizar os demais companheiros de trabalho e manter o ambiente em alto-astral”. Pode parecer banal, mas há quem não tenha essa conduta. Um simples e amigável “tchau ou boa noite” ao final do expediente exige o mínimo de esforço e resgata valores humanos. “É uma atitude que faz com que as pessoas percebam a importância delas ali e o quanto você as considera. Todo trabalho é feito em conjunto e você demonstra que eles não são apenas colegas, mas pessoas com as quais você se importa”, diz Taylor.

 10. Não se prolongar desnecessariamente 

Simplesmente, vá embora! Pessoas bem sucedidas evitam se demorar-se no escritório sem necessidade. É fundamental ter um equilíbrio entre a vida profissional e pessoal. “Ficar no escritório sem razão fará com que você diminua ainda mais sua energia e pode comprometer sua disposição para o dia seguinte”.

Dança das panelas: Troca-troca de chefs em cozinhas do Rio dinamiza cena gastronômica com novidades

Lomanto Oliveira

Lomanto Oliveira, agora no Quadrifoglio, lança cardápio 70% reformulado

Jovens, inventivos e inquietos, alguns dos mais badalados chefs da Zona Sul acam de (re) assumir as cozinhas de estabelecimentos que, por sua vez, esbanjam os (ótimos) resultados das novas criações introduzidas nos menus. Com currículos respeitáveis, que incluem passagens pelos mais icônicos restaurantes do Brasil e do mundo, os mestres das caçarolas aproveitam toda a bagagem para imprimir seu toque autoral às receitas das casas que agora comandam. Quem sai ganhando com essa dança das cadeiras (ou melhor, das panelas), claro, é o comensal.

– Essas trocas deixam a cena gastronômica da cidade muito mais inovadora e enriquecida. Seja assumindo novas funções no mesmo restaurante, seja partindo para novos voos, o aprendizado é imenso, e ajuda a refinar a qualidade dos pratos que servimos – afirma o chef Lomanto Oliveira, responsável desde 2009 pela pâtisserie do Quadrifoglio, no Jardim Botânico, e agora chef executivo da casa, com a saída de Kiko Faria.

Para coroar a novidade, Lomanto lança esta semana um cardápio 70% reformulado com destaque para o polvo grelhado com funcho, tomate e infusão de azeite e baunilha, servido como entrada; e o spagnhetti de espinafre com fonduta de queijo pecorio e camarões, como principal.

De volta ao Zazá depois de cinco anos, o chef Lucio Vieira (ex-Aprazível) criou para o charmoso bistrô de Ipanema o peixe vermelho grelhado com pirão de dendê e tomate, sagu de coentro, biju e castanha do Pará, hit do novo cardápio ao lado cuscuz de tapioca e coco com tartare de abacaxi brulée e calda de cumaru.

Antes sob a batuta de Fabio Battistella (agora no Complex Esquina 111), o descolado Meza Bar, no Humaitá, hoje conta com um menu assinado pelo chef paulista Bruno Faro, que fisgou o público carioca com a carne de panela cozida com molho à base de cerveja e purê de batata Roubouchon; e o pastrami caseio com maionese de batata e mostarda.

O Botero, no Mercadinho São José, em Laranjeiras, está a cargo de Cezar Cavaliere, em parceria com Bruno Magalhães, que agora tornou-se chef executivo. Com a proposta de aliar uma cozinha mais elabora à culinária típica de bar, Cezar (que já passou pelo CT Boucherie) destaca como seus xodós a sardinha marinada com limão siciliano, ervas, compota de cerveja e pasta de pimentão; e o arancini, um bolinho de arroz típico do sul da Itália, com recheio de rabada, ganhando uma pitada abrasileirada.

Capitaneando a Forneria São Sebastião, em Ipanema, está o chef João Machado (ex-Quadrifoglio e Copacabana Palace). Ao apostar em produtos frescos e sazonais, João revitalizou o cardápio da casa com pratos mais leves, ajustados ao perfil do carioca. Para ele, uma das opções que mais refletem a essência de sua cozinha é o salmão com crosta de pistache e a salada de cuscuz marroquino com legumes mediterrâneos.

Já o chef Christiano Ramalho decidiu seguir carreira solo: há menos de um mês, ele, que já trabalhou com a chef Roberta Sudbrack, lançou o Chezamis Buffet, levando alta gastronomia desde festas intimistas a grandes eventos, como casamentos.

– Eu preparo um menu personalizado para cada cliente. É um buffet de autor” que me permite fazer gastronomia com apresentação contemporânea na casa das pessoas ou mesmo em larga escala. São desafios que fazem com que eu esteja sempre me reinventando – conta ele.

Por Gabriela Leal
Publicado em O Globo – Caderno Zona Sul.